Domingo, 29 de Maio de 2005

a árvore da vida

rua deserta1.jpg



( Este texto foi escrito já algum tempo, nem sei a data…mas agora descobri-o e quase parece actual porque todos os dias sofremos desilusões , tristezas... È um pouco triste mas achei-o bonito …e quem sabe actual, se não o for para mim para tantos seres nesta vida!...)


A vida do ser humano é parecido a uma árvore inicia-se por uma simples semente a quem é necessário dedicar todos os cuidados. Regar , alimentar, dar carinho e que vai crescendo e estendendo os seus ramos no início ainda frágeis, que baloiçam com qualquer aragem. Mas têm muitas vezes a mãe árvore que cuida dela!
Com o passar dos anos o seu tronco e vai se tornando mais forte e com eles vários ramos se vão espalhando e tem que aguentar ventos e tempestades. As pessoas que cuidavam da arvorezinha vão deixando de o fazer e ela tem de aprender a cuidar-se. Outras árvores se vão cruzando no seu caminho, que lhe dão algum carinho e alegria ajudam-na a crescer de uma forma feliz e saudável!. Só que muitas vezes essas mesmas árvores que lhe davam carinho, transformaram a sua vida numa verdadeira tempestade de dor e desilusão.
O tronco vai ficando mais enrugado, cansado e então essas pessoas olham para o lado e observam árvores mais jovens , belas menos cansadas pelas amarguras da vida e então partem em busca de um novo abrigo esquecendo todas as juras e as promessas que foram feitas.
Fica uma árvore triste cansada sofrendo a solidão da noite parecendo uma árvore de Outono em que as folhas vão caindo e ficando amarelas e secas. Com os ramos desfeitos apenas o tronco ao alto sem forças para lutar. São noites de insónia a olhar as estrelas a relembrar o passado e tentar perceber porque descemos das nuvens de uma forma tão rápida e triste. Das nossas folhas caem orvalho em forma de lágrimas, com sabor a fel e desalento.
Mas mais nada podemos fazer a não ser tentar ficar na nossa companhia e tentando fazendo nascer novos ramos para que a árvore volte a ter vida. Silenciar a nossa dor na noite escura. Quando chove lava a alma de uma árvore desnudada e sem vida.
Mas agora é tarde demais! Acreditámos nas palavras que não passaram de enganos, de palavras furtivas senão não te terias encantado tão depressa por uma árvore mais bela e jovem abandonando-me no meio da floresta sozinha sem uma palavra de conforto e tu sabes que eu tenho medo da noite, da solidão. Só resta me continuar o meu caminho com o coração machucado, sem esperança e com feridas profundas, mas uma árvore cai sempre de pé.
De pé que continuo embora com os ramos desfeitos pela dor, desnudada de sentimentos ou ilusões apenas existe em mim tristeza e dor. Acreditei num amor livre e sem barreiras, mas tu não quiseste ficar, foste passear por outro jardim e eu fiquei com o coração descompassado de tanto sofrer. Tento soltar as amarras e também partir em busca de outras árvores, flores mas ainda não consigo! Para mim é cedo demais tu ainda estás demasiado presente em minha vida, todas as palavras que te disse foram sentidas, foram verdadeiras. Então fico aqui nas horas mortas e intermináveis da noite , olho as estrelas no seu cintilar e a beleza da lua e são nestas horas de tristeza e dor que mais te recordo. Ouço um pássaro cantar ao longe um canto triste e solitário, que me faz ainda mais aumentar a saudade e a incompreensão. Eu apenas canto prantos de saudade e dor.
Mas não quero mais chorar por ti vou pedir à lua que te arranque de dentro de mim, que leve para longe este sofrer e aos poucos vão apanhando ramo a ramo, os que tu cortaste e quem sabe um dia voltar a ser uma árvore amadurecida mas sonhadora…agora não tenho sonhos limito-me a olhar as estrelas e reviver o passado, sem entender o presente e sem saber nada do futuro. Mas vou varrer-te da lembrança colocá-las numa caixa e enterrá-la bem fundo num terreno bem longe de mim onde nunca te possa ir desenterrar !
Não pensarei mais em ti! Será?...

pensadora
publicado por pensadora2 às 18:29
link do post | comentar | favorito
|

a solidão...

janela1.jpg


Solidão

"Solidão não é a falta de gente para conversar,
namorar, passear ou fazer sexo...
Isto é carência.

Solidão não é o sentimento que experimentamos pela
ausência de entes queridos que não podem
> mais voltar...
Isto é saudade.

Solidão não é o retiro voluntário que a gente se
impõe, às vezes, para realinhar os
pensamentos...
Isto é equilíbrio.

Solidão não é o claustro involuntário que o destino
nos impõe compulsoriamente para que
revejamos a nossa vida...
Isto é um princípio da natureza.

Solidão não é o vazio de gente ao nosso lado...
Isto é circunstância.

Solidão é muito mais do que isto.
Solidão é quando nos perdemos de nós mesmos e
procuramos em vão pela nossa alma."

( Chico Buarque)

pensadora
publicado por pensadora2 às 13:54
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 22 de Maio de 2005

quando o amor...

candeeiro1.jpg



Eu sei que um dia um amor vai surgir.
Não precisa ser lindo como a flor, nem belo como o mar, mas que seja terno e intenso.
Um dia um lindo coração há-de me deixar entrar, não precisa ser forte no bater, nem difícil no esquecer. Só importa que seja intenso na emoção.
Sei que o encontrarei seja onde for, mesmo que para isso precise de ir além da dor.
Conhecerei ainda esse grande amor.
Não quero mais afogar-me na mágoa da solidão. Hoje só queria estar num terno coração
que esteja disposto a amar.
Será você? Não sei!
Não precisa ser belo, apenas sincero que me ame e aceite de verdade e não por momentos de prazer e depois me troque ou deite fora como um farrapo velho...Um dia já amei, talvez tenha sido amada...mas sei que um dia te encontrarei ...
A noite está calma as estrelas tão luzentes! Os namorados também as verão com um brilho diferente porque sentem ternura nos seus corações. Por eles sinto-me feliz, mas por mim!... Por que estaria feliz, se mesmo com tantas estrelas a brilhar, a noite do meu coração é tão escura! Por que para tantos o amor se apresenta tão lindo, e para outros é um murmúrio sem sentido? É a tal lei da compensação? Se não for, o que será então?
Responde-me tu que entendes tanto de amor, que te dizes professor e sábio da arte de amar! Diz-me onde irei encontrar o amor?
Sabes uma coisa? És um tonto !Pois o amor não se ensina nem se aprende. Para o amor não há professor. Ele quando quer entra e acende-se nos nossos corações , mesmo que seja rabiscado pelo lápis da dor. O amor quando não quer, não existe emoção que o faça despertar do seu sono nem que seja mesmo o mais lindo ser deste mundo te convidando para amar.
Aprende meu amigo, para o amor não há escola, pois ele não vive de ensinamentos, muito menos de esmola, migalhas do saber, para entender o amor , é preciso cultivar, e encontrar o coração certo, onde ele se queira instalar. Falar sobre o amor é como procurar no lago um rio , pois o amor fala por si, ele tem sua voz própria....E chega sem se fazer anunciar! E às vezes é tão difícil arrancá-lo do coração mesmo quando já não faz nenhum sentido ele lá permanecer...Só provoca saudade e lembranças e na noite é mais complicado ainda...a noite é dos namorados...
Vou ver um filme para te tentar esquecer....

Pensadora!
publicado por pensadora2 às 22:32
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Domingo, 15 de Maio de 2005

a tela da vida...

borboletas.bmp


A vida é uma tela com pequenos rabiscos,
onde criamos o céu ou o inferno,
de acordo com as tintas que usamos."

* Paulo R. Gaefke *

A vida é uma tela gigante em que todos os dias a pintamos com cores variadas. Umas vezes acordamos e sentimos tudo negro, outras cinzento e outras de um amarelo brilhante que lembra o sol a bater no azul do mar.
Nos dias mais escuros é a tristeza que nos acompanha, ou porque nos sentimos feridos, magoados por alguém ou porque não queremos continuar esta forma de viver, mas não temos coragem de pegar noutro pincel e molhado noutra tinta e assim vamos vivendo um pouco na escuridão da noite ou dia!
Mas se tivermos a coragem de lavar o pincel e mergulhá-lo noutra cor e fizemos uma mistura ,o cinzento vai desaparecendo e uma tonalidade mais sóbria vai brilhando.
O importante é não desistirmos haja chuva, ou sol, e as pedras do nosso caminho foram trazidas numa altura de temporal, mas a seguir ao Inverno vêm sempre a Primavera e com ela as cores vivas! Os campos ficam floridos e as borboletas sobrevoam as flores até que uma ou várias com funções diferentes na nossa vida vão ficar!
Temos que viver , amar , acreditar, lutar, sonhar e até chorar! São estes os sentimentos com que nos debatemos todos os dias e que preenchem a tela da nossa vida e faz a nossa história!
As pessoas que passam pela nossa vida são as tintas, mas os pintores somos nós e seremos sempre os responsáveis pela nossa obra. Pela tela que deixaremos como recordação um dia quando partirmos sem regresso...
Haja o que houver, aconteça o que acontecer, podemos misturar as cores e dar forma à tela, nela criarmos situações e imagens. Por mais cinzenta que esteja a sua tela neste momento ainda tem tempo de pegar no pincel e misturar as cores e criar agora uma estrada, um campo florido, ou continuar no caminho das incertezas e dúvidas!
Nós somos os autores desta tela chamada vida, que tal começarmos por pintar um sorriso?
Que represente a esperança e a renovação como símbolo daqueles que nunca desistem de serem felizes!
Ser feliz exige criatividade, esforço e dedicação! Se as coisas não deram certo até agora, passe tinta branca na tela e recomece, hoje é um dia perfeito para começar uma nova pintura....
Amanhã as tintas poderão já ter secado....


pensadora
publicado por pensadora2 às 21:51
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 13 de Maio de 2005

a magia de um toque...

unidos.jpg





“ Procura ter sempre alguma coisa bonita diante dos teus olhos “ ( Maria José Norte)






Queria passar as minhas mãos no teu rosto e com elas desenhar todos os seus contornos e guardá-los no meu pensamento. Pintar com lápis de carvão o teu sorriso para nunca mais o esquecer.
Queria ficar contigo deitada lado a lado, eternizar o momento , vestir uma camisa tua e ficar com o teu cheiro entranhado no meu corpo. Viver a teu lado o encanto de mais um amanhecer . Tocar-te com as minhas mãos, com os meus lábios, mas também tocar-te no pensamento, no sentimento. O toque é algo infinito e suave como uma pétala de rosa aveludada, belo como cada raio de Sol que nos entra pela janela ao acordar. O toque no rosto, no corpo de uma pessoa, é algo tão subtil e próprio. Pode ser um toque carregado de sedução, de prazer , mas pode ser um toque simples, tranquilo cheio de afecto quase infantil.
A forma como tocamos o outro é única nunca tocamos duas pessoas de uma mesma maneira.
Não se toca só com as mãos, também se toca com o pensamento, com o coração, com o olhar . Mesmo sem lhe vermos o rosto ou alcançarmos o seu corpo , o toque pode ser algo tão forte que nos faz ficar horas presas a esta máquina ou ao telefone.
O prazer de te tocar é algo que as palavras não desenham, não sabem transmitir.
Quando sentimos sintonias de ideias, de estarmos juntos mesmo separados , mas porque aprendemos a sentir o outro, sabemos quando ri ou está triste, é algo que só o toque do coração pode dar . Podemos nos tocar com um olhar, com um sorriso, mesmo que tu não vejas o meu rosto.
Há um toque de magia quando ele é conseguido à distancia, e depois de nos deixarmos embarcar nesse toque será difícil não o ter. As cumplicidades que se criam, a amizade que floresce faz-nos ficar horas apenas pelo prazer de sermos tocados pelas palavras.
Não tocamos a aragem , não tocamos o ar no entanto ele brinca com os nossos cabelos e nos despenteia. Não tocamos o Sol e ele nos aquece e nos faz sentir calor…O toque à distância é um toque cheio de magia. Torna-se real quando o sentimos.
O toque, sem o percebermos, é uma das nossas maiores armas de sedução e de prazer...
Neste momento queria tocar-te com as minhas mãos…Nem que fosse apenas contornar o teu rosto com os meus dedos para nunca mais o esquecer! Entrelaçar as minhas mãos nas tuas e ficar horas...a olhar o infinito!
Nem que fosse só uma vez...

pensadora







publicado por pensadora2 às 20:28
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 11 de Maio de 2005

recomeçar de novo...

gaivota.JPG

“ Não podemos voltar atrás e fazer um novo começo, mas podemos recomeçar e fazer um novo fim!
( Ayrton Senna)
Enquanto aprecio o fim de tarde, que me espreita pela janela e saboreio uma caneca de chá, dou uma olhadela às noticias, sentei-me aqui para repensar um pouco a minha vida e na vida de tantas pessoas como eu sentem que mais um dia terminou e esperam que outro amanheça. Muitas irão dormir com a cabeça cheia de preocupações, outras com a alegria estampada no rosto, outros ansiosos, outras cheias de sonhos e planos...Enfim cada ser humano tem as suas naturais preocupações e alegrias!
Enquanto engoli um gole de chá, pensei que com o passar dos anos as nossas prioridades vão-se alterando.
Até determinada altura é a escolha do curso que se quer tirar, o primeiro emprego, as primeiras contas para pagar, os primeiros namorados, o casamento, os filhos a primeira casa, mas em cada acto da nossa vida, temos sempre um objectivo: encontrar a felicidade.
Em cada pequeno gesto, em cada pessoa que se cruza no nosso caminho, essa procura está sempre presente. Quando já temos tudo para sermos felizes por vezes continuamos a sentir um vazio e reparamos que apenas tivemos fugazes momentos ao longo do nosso percurso, então começamos a acreditar que ela nunca se vai cruzar connosco nesta estrada da vida! Tantas vezes desistimos porque pensámos já não ter tempo ou paciência, e assim vamos continuando o nosso percurso sem felicidade nem ânimo.
Tudo seria mais fácil se vendessem paciência nos hipermercados, nas farmácias ou noutro lugar qualquer. A vida seria mais calma se soubéssemos tomar a dose certa. Irritávamo-nos menos nas filas de trânsito, no emprego, em casa, e talvez a tão desejada tranquilidade vestida de felicidade viesse ao nosso encontro.
Quando todas as nossas prioridades aconteceram e continuamos a sentir um vazio que nos consome por dentro e não nos deixa sonhar, só temos dois caminhos: ou nos acomodamos ou continuamos a nossa viagem por outras estradas. Estradas desconhecidas, incertas, mas que darão um novo alento ao nosso sentir.
Nem que para isso seja preciso recomeçar tudo de novo! Deixar para trás, uma vida em conjunto, bens materiais e concluirmos que a Felicidade não passa pelo outro, mas por nós. Só assim seguiremos em direcção à Felicidade se acreditarmos que nunca é tarde para recomeçar.
Quando gostamos de nós aprendemos a fazer o nosso caminho. Não vamos correr mais atrás das borboletas mas cuidar o jardim que há dentro de nós e elas virão ao nosso encontro! Certamente uma poisará porque encontrará um jardim bem tratado: com carinho, amor e auto-estima. Se assim não for nenhuma poisará por muito tempo. Todas levantarão voo porque se sentem perdidas num jardim meio desnudado, sem flores a desabrochar, mas a morrer em cada novo amanhecer.
Não é fácil recomeçar, então ficamos à espera que tudo se recomponha, como se o tempo fosse o obreiro de todas as obras
Toda a minha vida corri atrás das borboletas e esqueci-me de cuidar do jardim que há dentro de mim, deixei murchar todas as flores, caíram todas as pétalas até que já não havia uma única flor. Tinha dentro de mim um jardim de Inverno, em que apenas os troncos estavam de pé e pelo chão pétalas sem vida.
A borboleta que habitava esse jardim já não tinha vida. Há muito que o sobrevoava como um fantasma. Pouco havia em comum entre mim e essa borboleta apenas a acomodação! Ela tinha medo de perder o porto de abrigo, de procurar outro jardim e eu tinha receio de não ter forças para semear novas flores…
Mas um dia num acto de loucura, lucidez ou coragem, achei que este jardim ainda poderia ter vida, deixei tudo para trás e estou a aprender a colocar novas sementes num jardim ainda desnudado. Sozinha, sem nenhuma borboleta por perto.
Só precisamos ter alguma paciência, não importa o momento em que nos cansámos, o que importa é termos a coragem de recomeçar e fazer um novo fim!
Sem pressas vou caminhando, um pé a seguir ao outro, como uma criança que dá os primeiros passos.
Tenho a consciência que terei pela frente um longa travessia no deserto com algumas tempestades de areia! Só que não posso nem quero voltar atrás . Se não que sentido teriam as lágrimas que derramei? As lutas que travei? Os caminhos que desbravei?
Recomeçar de novo é dar uma nova hipótese a nós mesmos de renovar o jardim que habita dentro de nós, aprender com os erros passados, mas mais que renovar ou aprender é voltar a acreditar que temos futuro!
Uma porta se fechou, a da estabilidade. Há momentos em que o desânimo quer entrar, mas tento não deixar! Porque este será apenas o início de um novo caminhar. O caminho que escolhemos em busca da paz interior e do sonho renovado.
O meu chá terminou olho lá para fora e vejo o sol a esconder-se entre as nuvens, como nós tantas vezes fazemos na nossa vida, escondemo-nos atrás de falsas realidades, de falsos muros que a qualquer momento se desmoronam e nós ficamos perdidos, porque não soubemos saltar o muro antes de ele cair...e tentar uma vida nova do outro lado! Mas o Ser humano é assim mesmo tem medo das mudanças, o desconhecido assusta-o! Mesmo que seja para melhor, mas como vamos saber o dia de amanhã ? O que é certo ou errado? Só arriscando...só tentando...
Eu neste momento só tenho uma certeza vou buscar uma nova caneca de chá ...
pensadora
publicado por pensadora2 às 20:59
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Segunda-feira, 9 de Maio de 2005

nem as ondas do mar...

ondas3.JPG

Que dor é esta que sinto? Que nem o barulho do mar consegue silenciar!
Olho para o infinito para a sua imensidão e só ouço uma palavra que ele sussurra ou bater na areia" Solidão"
Quantas outras almas aqui vieram chorar suas lágrimas? De quantas lágrimas serão feitas as tuas águas salgadas?
O escurecer reflecte nas tuas águas, O Sol mistura-se com a Lua e transmite um laranja cheio de cor e vida.
Vida que não sinto! Nem ao mar consigo esconder o meu sentir, molho os meus pés nas tuas águas e uma lágrima eu deixo cair...mais uma para se juntar aos milhares delas que as tuas águas escondem!
A esperança vestiu-se de verde e partiu, a alegria vestiu-se de escuro e ficou comigo, os amigos seguiram seu rumo e eu fiquei só a olhar as tuas águas a sucumbir nas tuas ondas que batem com violência tentando me despertar para a vida! Mas continuo inerte no meu sentir...
Peço-te ajuda, diz à esperança para voltar, alegria para se vestir com roupas alegres e ao amor principalmente ,a esse que é o motor da vida que não vá, que não me deixe e tentaremos recomeçar onde terminámos. Preciso de respirar o cheiro do amor. o sabor da vida!
Esperança volta e trás contigo o sorriso, a alegria a felicidade, a vontade de mergulhar nas tuas águas....e em limpar toda a tristeza e deixar correr nas tuas águas a solidão...leva-a para longe , enrola-a e não a voltes a trazer de volta! Peço-te mar abafa-a no tua imensidão leva-a para a longe do ser humano que só lhe só o faz sofrer!

pensadora
publicado por pensadora2 às 18:31
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 5 de Maio de 2005

Depois da noite vem o dia...

caminhar sobre agua.jpg


"Assim começa o dia, começa a noite anterior, a noite termina no dia seguinte..."

Depois da noite vem sempre o dia e com ele o som irritante do despertador que tantas vezes nos interrompe sonhos e uma vontade enorme de o ignorar. Tentamos sempre prolongar os minutos como se fossem tesouros!
Até que num acto de resignação e de coragem saltamos da cama, ainda meios atordoados pelo sono, por uma noite mal dormida, mas um novo dia nos espera.
Fazemos tudo de uma forma quase mecânica, são rotinas já aprendidas. O pequeno almoço engolido sem saborear, os miúdos para vestir, pegamos nas tralhas necessárias e batemos a porta!
Lá dentro fica uma casa vazia ,meia desarrumada, que nos espera ao anoitecer.
Sentimos a primeira aragem da manhã , olhamos para o céu tentando adivinhar o tempo que vai fazer, pegamos no carro e partimos ouvindo música na rádio, deixando-nos embalar por cada poema..
O primeiro café da manhã no local de sempre, uma olhadela no jornal se estiver disponível.
Pensamos que vai ser mais um dia igual a tantos outros, que temos tudo programado, agendado; mas nem sempre é assim, há um imprevisto, umas vezes agradável , outras triste, que salta de uma caixinha de surpresas.
Temos que aproveitar cada dia como se fosse único, rir, chorar, vencer as depressões , os imprevistos, as fúrias dos colegas, brincar como se fossemos crianças. Soltar tudo o que temos dentro de nós ! Fazer de cada dia um momento único, pensar de uma forma positiva e encarar cada instante menos bom como uma aprendizagem para o futuro.
Respirar ar novo e puro, ouvir o mar, ouvir uma boa melodia, parar para apreciar o que de belo nos rodeia. Fazer sentir às pessoas que gostamos delas! Porque nunca saberemos quando será o último, nascemos com tempo limitado, mas não trazemos uma etiqueta com o tempo de duração!
Por isso cada dia será uma nova motivação para esquecermos o que já passou, ouvir novas pessoas, buscar novos horizontes e percebermos que somos humanos. Que estamos cá para sonhar e fazer da vida uma pequena festa porque o tempo passa depressa .
Mais um dia chega ao fim, as mesmas rotinas de fim de tarde e uma nova noite espreita entre as vidraças.

pensadora
publicado por pensadora2 às 20:47
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quarta-feira, 4 de Maio de 2005

sentir-se só...


“ Nós podemos curar as doenças físicas com remédios mas a única cura para a Solidão e desespero chama-se “ Amor” . Existe muita gente no mundo que é capaz de morrer por um pedaço de pão, mas existe muito mais gente que é capaz de dar a vida por uma migalha de “ AMOR”( Madre Teresa de Calcutá)

Para a dor física vão existindo soluções: remédios, um comprimido, uma pomada, um antibiótico. Com a evolução da ciência os processos de descoberta para travarem novas doenças são uma constante! Embora ainda haja muito para descobrir! Mas para a dor da “ alma”, a dor de se sentir só, mesmo estando rodeada de gente, para essa não há ciência que descubra a poção mágica.
Sentir-se só é um estado de alma, é algo que vem do interior e é muito mais profundo do que estar sozinho fisicamente. Podemos sentir a mais profunda das solidões estando com alguém e ser bem mais dolorosa do que quando estamos apenas em nossa companhia.
A única pessoa que nos vai acompanhar para sempre somos nós próprios, muitas pessoas entram e saem das nossas vidas. Mas ninguém se consegue livrar de si próprio!
Quando aprendermos a cultivar o nosso interior e a gostar da nossa imagem, deixaremos passar para o exterior a nossa sinceridade, o nosso sorriso, a nossa simpatia e a sociedade deixar-se-á envolver. A nossa vida terá mais sentido!
Haverá solidão maior do que repartir um espaço com alguém que dorme ao nosso lado e nem se apercebe que choramos baixinho? Haverá maior solidão do que chegar a casa e em vez de se partilhar as nossa angústias e alegrias temos alguém que sussurra umas palavras e se senta no sofá sem nos escutar? A este tipo de solidão poderemos chamar solidão a dois! Já estão separados por dentro mas continuam juntos por fora! Repartem o mesmo espaço físico mas pouco os une!
A solidão é um sentimento de vazio que todos sentimos numa ou outra fase da nossa vida! Mas não é por se viver sozinho que sofremos de solidão!
Neste momento quantas pessoas no mundo se sentem sós, mesmo tendo a casa cheia de gente?
A Solidão atenua-se e combate-se, não com medicamentos, nem com os famosos anti -depressivos ; esses aliviam o mau estar físico mas a dor da alma e o vazio continua a habitar em nós consumindo a nossa esperança e a vontade de vencer.
O afecto vindo do exterior ou do nosso interior pode fazer milagres, um simples telefonema, um e-mail, um sorriso, coisas tão simples para quem as dá mas tão preciosas para quem as recebe!. Um pequeno gesto pode deter uma lágrima!
Muita gente tenta interpretar a solidão como um vazio interior, uma insatisfação no emprego que na maioria das vezes se tenta preencher com aquisição de bens materiais e dedicação extrema ao trabalho ou outras actividades de lazer e culturais. Mas por mais que se envolvam continuam a sentir um rasto de tristeza numa vida na qual não encontram sentido e à qual sentem não pertencer.
Quantos não são os que oferecem a sua vida porque essa migalha de amor, solidariedade e carinho que nunca chegou e procuraram -na em cada pessoa nova que se cruzou no seu caminho, em cada nova tarefa em que se envolveram. Mas um dia perdem as forças e não morrem por um pedaço de pão mas por um pedaço de amor!
Enquanto não aprendermos a viver e a gostarmos da nossa companhia a solidão será sempre um estado de alma!
Faremos feridas profundas com o coração em chamas de dor e angústia e em vez de um sorriso no rosto, temos um olhar triste e apagado Se conseguirmos paz interior, talvez o nosso coração se ilumine e a solidão nos deixe em paz!
Mas a solidão de chegar a casa todos os dias e ter sempre as luzes apagadas, ninguém à nossa espera durante dias e anos a fio, não ter com quem partilhar uma notícia ou um filme que se viu, também não é fácil, daí ser muito importante aprendermos a viver connosco próprios . Porém o ser humano precisa de partilhar e conviver discutir as suas ideias. O homem não é um ser isolado nem foi educado para esse isolamento.
As luzes sempre apagadas também provocam uma tristeza difícil de superar, o Homem não nasceu para viver só. Aliás, nenhum ser vivo habita em seu habitat de uma forma solitária, tem as suas crias, o seu domínio e ataca ou defende em grupo.
O caminho de viver só ou estar só é um longo caminho, que nem todos têm forças para superar e muitos perdem-se em percursos sem volta para se sentirem menos sós.
Refugiam-se no álcool na droga no saltar de cama em cama que, na maior parte das vezes, ou leva à destruição enquanto ser ou, depois de tudo terminar a pessoa sente-se ainda mais só sem rumo, sem direcção. Esgotada emocionalmente, isola-se para sempre de um mundo ao qual já não se adapta nem é aceite.
Tentamos esconder-nos mas não podemos fugir de nós próprios.
E para muita gente neste momento bastava um sorriso para a solidão ou a sensação de tristeza ficarem empacotadas...mas como esse sorriso não chega de nenhuma das formas possíveis vão se deitar com a solidão e quem sabe acordar com ela e transportá-la dia-a-dia como um fardo cada vez mais difícil de suportar...Mas mesmo no meio da tristeza é preciso acreditar que depois da noite por mais longa que seja vem sempre o dia e com ele uns raios de Sol! Que às vezes teimamos em não ver, ou tentar ignorar que ele brilha na nossa direcção e voltamos-lhe as costas e seguimos em direcção à escuridão que por medo e desilusão teimamos viver nessa escuridão, porque assim pensamos que nos vamos proteger de novas desilusões, de novas solidões!...
Mas não há solidão maior do que não querer ver o Sol mesmo que sejam apenas uns pequenos raios...como agora que ele se está a esconder para dar lugar à noite!
pensadora
publicado por pensadora2 às 20:50
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


.posts recentes

. na falta de inspiração...

. acordes da vida...

. adversidades da vida...

. neste momento só me resta...

. tentarei pensar...

. disfarce autorizado...

. um mimo do meu marinheiro...

. a ausência...

. o silêncio...

. resistir ao inverno...

.arquivos

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

blogs SAPO

.subscrever feeds