Quinta-feira, 2 de Junho de 2005

a noite...

candeiro.jpg

A noite

Ontem à noite o sono demorou a embalar-me . Tentei aconchegar-me nos lençóis fazer frente à noite fria que não me permitia colocar a hipótese de me levantar e andar a vaguear pela casa como tantas vezes faço. Uma noite mal dormida é uma porta aberta para deixar a memória do passado se instalar em pensamentos . Bem tentei deixá-los não entrar, mas eles iam-se se instalando e cada pedacinho de mim passava à minha frente como se uma tela de cinema se tratasse.
Como toda agente a minha vida podia dividir em várias etapas , a infância mais ou menos feliz, as rebeldias da adolescência, a entrada na vida adulta…mas para mim isso pouco importa. A minha vida divide-se essencialmente em duas grandes etapas, o antes e o depois. O antes aconteceu mais ou menos há dois anos em que todas as peças do puzzle se pareciam encaixar, mas havia sempre uma que parecia solta, uma que o meu coração expulsava. Como acho que nunca é tarde para um acordar ou recomeçar transformei o antes num depois novo e totalmente desconhecido. Tracei metas e percursos, muitas noites mal dormidas pensando como iria ser o dia seguinte…e agora vivo o durante. Um durante fragilizado, um durante em que algum cansaço e alguma tristeza ainda se deitam ao meu lado e às vezes uma lágrima que tentei esconder durante o dia cai no silêncio da noite.
Aliás é de noite que tudo parece mais intenso, mais profundo, a noite na sua plenitude e mistério torna-se umas vezes bela, outras assustadora. A noite é a musa inspiradora dos poetas, a eleita dos amantes, e a ameaçadora para os tristes e solitários. Quando o Sol de despede e a noite veste o seu fato de gala com Estrelas e a Lua no horizonte os corações tristes , solitários e medrosos tornam-se mais enfraquecidos, mais vulneráveis e por isso cada uma seu jeito tenta que o dia chegue depressa porque depois do anoitecer vem sempre um novo amanhecer!
As noites começam aquecer, embora as minhas ainda continuem um pouco frias e tristes e eu tento esquecer as memórias de um passado recente, queria acordar amanhã e sentir que era de verdade um novo amanhecer, não mais uma página no calendário, que não era mais um robot mecanizado e com tudo programado. Eu sei que nenhum dia é igual ao outro, há sempre uma pequena ou grande diferença, as pequenas depressa esquecemos as grandes fazem história e invadem-nos a mente nas noites de insónia. Hoje senti falta do mar, senti falta de lutar contra ele como uma marinheira disposta a salvar o seu barco. Hoje senti falta de alguns sorrisos, senti falta de voltar a sorrir.
Mas hoje também senti que era capaz de vencer o mar, capaz de soltar as amarras e ganhar a felicidade...sinto um sorriso ainda trémulo a tentar sair dos meus lábios...um sorriso que começa apanhar confiança porque deixei de acreditar que a felicidade passa pelos outros, mas a felicidade começa em mim...e passa por mim!
Não posso ser feliz nem fazer ninguém feliz senão me sentir bem comigo...e no meio da escuridão começo a ver uma pequenas luz que me guia no meu caminho...só espero não lhe perder o rasto e cada vez as noites serem mais quentes e mais iluminadas...

pensadora!
publicado por pensadora2 às 23:23
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


.posts recentes

. na falta de inspiração...

. acordes da vida...

. adversidades da vida...

. neste momento só me resta...

. tentarei pensar...

. disfarce autorizado...

. um mimo do meu marinheiro...

. a ausência...

. o silêncio...

. resistir ao inverno...

.arquivos

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

blogs SAPO

.subscrever feeds